domingo, 26 de julho de 2015

[Resenha] As Vantagens de Ser Invisível


Escritor: Stephen Chbosky
Editora: Rocco
Páginas: 223
Sinopse: "Mais íntimas do que um diário, as cartas de Charlie são estranhas e únicas, hilárias e devastadoras. Não se sabe onde ele mora. Não se sabe para quem ele escreve. Tudo o que se conhece é o mundo que ele compartilha com o leitor. Esta encurralado entre o desejo de viver sua vida e fugir dela o coloca num novo caminho através de um território inexplorado. Um mundo de primeiros encontros amorosos, dramas familiares e novos amigos. Um mundo de sexo, drogas e rock'n'roll, quando o que todo mundo quer é aquela música certa que provoca o impulso perfeito para se sentir infinito."
"Mas sempre acho que um livro é meu favorito até eu ler outro." (pág. 19)
Charlie, um adolescente de 15 anos, que está começando amadurecer e explorar a vida. Ele tem muitos desafios para enfrentar: o recente suicídio de seu único e melhor amigo, a morte de alguém da família, as dificuldades escolares, seu primeiro amor e suas próprias questões existenciais.
"Charlie, a gente aceita o amor que acha que merece." (pág. 35)
"É estranho, porque às vezes eu leio um livro e acho que sou a pessoa do livro." (pág. 38) 
Quando ele conhece Sam e Patrick, dois irmãos que, como típicos adolescentes, acreditam em aproveitar a vida, a rotina de Charlie passa por muitas mudanças. Ele aprende sobre amizade, sobre como enfrentar situações totalmente novas, e como conviver com pessoas que são completamente diferentes dele. Charlie embarca em um processo de mudança e aprendizado incrível, nos levando juntamente com ele.

"E naquele momento eu seria capaz de jurar que éramos infinitos." (pág. 49)
"Acho que é a primeira vez na minha vida em que senti que parecia "perfeito". Sabe o que eu quero dizer? É aquela sensação legal, quando você se olha no espelho e seu cabelo está ótimo pela primeira vez na vida? Não acho que deva me basear tanto em peso, músculos e um bom cabelo, mas quando acontece é legal. É legal mesmo." (pág. 77) 
O livro é todo narrado por cartas, escritas por Charlie e endereçadas a "um amigo especial". É como um diário no qual em cada carta Charlie conta detalhadamente sobre seu dia, suas ações, seus pensamentos e reflexões.
"O problema com as coisas é que todo mundo sempre está comparando todos a todo mundo." (pág. 114)
"(...)E eu acho que todo mundo é especial à sua própria maneira. É o que eu penso." (pág. 192)
O escritor aborda vários assuntos, tais como: gravidez na adolescência, homossexualidade, drogas, bebidas. Mas a forma que os personagens enfrentam as situações, é incrível. Faz com que você se sinta infinito, assim como eles. É uma escrita que você não "só lê" o livro, faz com que você "viva" o livro! 
"Então ficamos em silêncio pelo resto da música. Ela se aproximou mais de mim. Eu a abracei mais forte. E continuamos dançando. Foi o único momento em todo o dia que eu queria que o tempo parasse. E que isso durasse muito." (pág. 203)
"Se alguém gosta de mim, eu quero que goste de mim de verdade, e não pelo que pensam que eu sou. E não quero que carreguem isso preso por dentro. Quero que mostrem para mim, para que eu possa sentir também. E se fazem alguma coisa de que eu não gosto, eu digo." (pág. 211) 
Por fim, acabei me sentindo o "amigo especial" para quem Charlie escrevia, a qual ele confidenciava tudo, mas eu, não tinha como dizer: "não faça isso; não Charlie, por que?" E como não amar o Charlie? Ele... Vivendo da sua própria maneira, sem se preocupar com a opinião das pessoas e simplesmente sendo infinito.
"Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos ao partir daqui. Ainda podemos fazer coisas. E podemos tentar ficar bem com elas. (...)Talvez seja bom colocar as coisas em perspectiva, mas às vezes acho que a única perspectiva é estar aqui. Porque não há problema em sentir as coisas. E ser quem você é." (pág. 221)
Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ()

Nenhum comentário:

Postar um comentário