quinta-feira, 15 de setembro de 2016

[Resenha] O Diário de Anne Frank

(Edição definitiva por Otto H. Frank e Mirjam Pressler)
Editora: Record
Páginas: 352

Sinopse: "O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seu diário narra os sentimentos, medos e pequenas alegrias de uma menina judia que, com sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto."
"O papel tem mais paciência do que as pessoas." (pág. 16)
"O Diário de Anne Frank" é contado pela mesma sobre sua vida antes e depois do Anexo. Tudo começa em 1942 (Segunda Guerra Mundial) quando tudo começou, trazendo junto consigo o medo. Como Anne e sua família eram judeus, eles tiveram que se esconder para não serem levados pelos alemães na época.

Com ajuda de algumas pessoas do escritório em que seu pai, Sr. Frank (chamado carinhosamente de Prim pela pequena Anne), trabalhava, eles viveram durante dois anos em um Anexo, não podendo fazer barulho e muito menos sair dali. Tinham que ficar as 24h, todos os dias, dentro daquele pequeno lugar.  Como que já não bastasse, a família Frank dividia o Anexo com a família van Daan (Sr e Sra van Daan e o Peter) e com o Sr. Dussel.
"No amor e na guerra tudo é permitido." (pág. 25)
"Aprendi uma coisa: você só conhece uma pessoa depois de uma briga. Só, então, é possível julgar o seu caráter." (pág. 56)
"Depois durmo com a sensação estranha de que quero ser diferente do que sou, ou de que sou diferente do que quero ser, ou talvez de me comportar diferente do que sou ou do que quero ser." (pág. 83) 
Anne era uma garota dedicada aos estudos e um pouco geniosa, porém, sentia-se sempre sozinha. Como estava vivendo no Anexo não tinha amigos, então encontrou em seu diário uma nova melhor amiga. Ela chamava o diário de "Kitty".
"Quem mais, além de mim, vai ler estas cartas? Com quem mais, além de mim, posso procurar conforto? Estou sempre precisando de consolo, costumo me sentir fraca e com frequência deixo de atender às minhas expectativas. Sei disso, e todos os dias resolvo ser melhor." (pág. 152)
"A gente pode estar sozinha mesmo quando é amada por muitas pessoas, quando não é o 'único amor' de ninguém." (pág. 166)
Cada capítulo começa narrando uma carta como "Querida Kitty", o que torna tudo ainda mais real. É como se Anne estivesse escrevendo para o leitor. Em algumas partes do livro ela escreve como se ninguém fosse ler o seu diário... Ah, é um dos livros mais lidos do mundo!
"Você pode me dizer por que as pessoas se esforçam tanto para esconder seu eu verdadeiro? Ou por que sempre me comporto de modo muito diferente, quando estou perto dos outros? Por que as pessoas confiam tão pouco umas nas outras? Sei que deve haver um motivo, mas às vezes acho horrível não poder confiar em ninguém, nem mesmo nas pessoas mais próximas." (pág. 181)
 "A felicidade em seu coração pode ser diminuída; mas estará sempre lá, enquanto você viver, para torná-lo feliz de novo." (pág. 207)
"Amor, o que é amor? Não creio que se possa realmente pôr em palavras. Amor é entender alguém, se importar, compartilhar as alegrias e as tristezas. Isso pode incluir o amor físico. Você compartilha alguma coisa, dá alguma coisa e recebe algo em troca, seja ou não casada, tenha ou não tenha um filho. Perder a virtude não importa, desde que você saiba, enquanto viver, terá ao lado alguém que a compreenda e que não precisa ser dividido com ninguém mais!" (pág. 212)
É possível perceber como o livro começa com uma pequena Anne inocente e como ela vai amadurecendo um pouco com os capítulos. É possível perceber também aquela rebeldia comum de adolescente e como ela sonha com um futuro após a Guerra. Em suas cartas ela também fala sobre os dias com sua família, seus medos, seus desejos e seu primeiro amor.

Sabe quando um livro preenche seu coração? Então, "O Diário de Anne Frank" preencheu o meu de diversas formas possíveis. Eu senti os medos de Anne; eu senti seu desespero para descobrir o mundo; senti a sua necessidade de atenção, amor e carinho. Anne contou tudo de forma tão comum, como se você você estivesse contando tudo para uma amiga, e eu me senti sua melhor amiga ao finalizar o livro.
"Meu conselho é: 'saia, vá para o campo, aproveite o sol e tudo que a natureza tem para oferecer. Saia e tente recapturar a felicidade que há dentro de você; pense na beleza que há em você e em tudo ao seu redor, e seja feliz." (pág. 221)
"Qualquer pessoa que, de propósito, cause tamanha dor a outra que diz amar é digna de desprezo, a mais baixa das mais baixas criaturas." (pág. 294)
Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ 

7 comentários:

  1. Oiii! Amei a sua resenha *--* os quotes foram bem escolhidos, ainda não li o livro mas me interesso imensamente <3 Acho a história linda e inspiradora! Ele está na minha Wishlist e pretendo comprar no black Friday :) essa edição é muito linda.

    *Beijokas -Hellen Barros.

    www.apenasgiz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenha gostado da resenha e das quotes. <3 Eu demorei bastante para ler, mas após finalizar a leitura eu pensei: "por quê não li esse livro antes?" É ótimo! Espero que você goste.

      Beijos.

      Excluir
  2. OIe!
    Sou curiosa para ler este livro, faz tempo que tenho vontade de ler mas ainda não tive oportunidade. Adorei os quotes escolhidos.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou das quotes. :D Leia, sim. Você não irá se arrepender. É um excelente livro.

      Beijos.

      Excluir
  3. Oiiii

    Esse foi um dos primeiros livros que li e me lembro que amei tanto que comecei a ler e ver tudo o que se referia à Segunda Grande Guerra. A história da Anne é muito intensa, a maneira como ela expõem os sentimentos e acompanhar os conflitos que ela sofre naquela situação enquanto cresce, acompanhar aquele mundo sem esperança de mudanças é muito duro e ao mesmo tempo envolvente.
    Eu indico esse livro à todos. Sempre dizem que a melhor maneira de evitar algo, é lembrar sempre do que ja aconteceu, e por essa razão acho que livros assim merecem ser lidos por todos.

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demorei tanto tempo para ler esse livro e não sei por qual motivo demorei para ler rs. É maravilhoso mesmo. Apesar de ser triste, a forma como Anne descreve tudo, faz com que você sinta vontade de abraçá-la em certos momentos.

      Eu adoro livros com referencia à Segunda Guerra, mas tudo começou após eu ler A Menina que Roubava Livros (que é um excelente livro também!). Beijos.

      Excluir
  4. Olá!
    Amei sua resenha! *-*
    O diário de Anne Frank é um dos meus livros favoritos da vida <3
    Eu me interesso por livros que se passamna Segunda Guerra Mundial.
    "O diário de Anne Frank" é uma ótima leitura que deveria der obrigatória...

    Beijo,beijos
    relicariodehistoriasma.blogspot.com

    ResponderExcluir